Mata

Cidade da pedra que foi madeira

Mata é uma cidade que por obra da natureza está situada sobre uma imensa floresta de fósseis, que são documentos vivos de uma história vivida aproximadamente 200 milhões de anos e que ainda hoje pode ser admirada e estudada em seus mínimos detalhes.

A colonização da cidade iniciou no ano de 1836, a mando do governo imperial. Chegava ao município o primeiro casal de habitantes com a incumbência de desenvolvimento e povoamento recebendo para isso uma légua de sesmaria de terras e trinta cabeças de gado. A denominação atual do município se deu a partir da densa mata nativa e as “picadas” abertas para a construção da Ferrovia que liga Santa Maria à Jaguari, iniciada em 1912 e finalizada em 1919, ano esse que se estabeleceram os primeiros habitantes na sede do município de Mata.

Foi no ano de 1976 que chegou a Mata o Padre Daniel Cargnin que descobriu os fósseis vegetais e a partir daí a cidade passou a ser conhecida internacionalmente como a ‘Cidade da Madeira que Virou Pedra”. Tenha certeza que visitar Mata será inesquecível e repleta de belas paisagens. Chegar em Mata é como chegar ao pé de uma grande Serra a partir da planície do pampa gaúcho. O Patrimônio Cultural dos fósseis é algo impressionante. Grandes viajantes europeus, como Saint Hillaire, relataram sua passagem na região e descreveram a região como magnífica, a Serra e seus morros verdes de mata nativa e o Rio Toropi. Você não pode deixar de conhecer uma cidade com identidade única no Rio Grande do Sul!

Manhã

O visitante é recepcionado no Museu Padre Daniel Cargnin e é apresentado às riquezas dos fósseis vegetais e répteis primitivos do Rio Grande do Sul. Siga o passeio até o Jardim Paleobotânico para vislumbrar o afloramento de fósseis preservado no campo na costa do morro. As praças e Grutas no centro da cidade complementam a parte da manhã.

Tarde

A tarde sugere tempo ao ar livre e você pode se deslocar até a Cachoeira da Boa Esperança e percorrer trilha ecológica para conhecer ainda o mini Canyon da Boa Esperança, um canyon no meio da mata. Siga o passeio até o Museu Fragmentos do Tempo com seu acervo e histórias maravilhosas contadas pelo anfitrião sobre a colonização da região. O dia pode ser finalizado no Jardim Paleobotânico ou ainda no morro da antena para belíssimo pôr-do-sol.